Noticias

1 de mai de 2015

Paraíso Zona Sul em maio na Sede das Cias


Tendo o Rio de Janeiro como ponto de partida paradoxal e profundamente inspirado no universo de Nelson Rodrigues, o espetáculo inédito “Paraíso Zona Sul”, de Jô Bilac, estréia na Sede Das Cias, na Lapa, do dia 06 a 22 de maio, sempre às quartas, quintas e sextas-feiras, às 20h.
São seis peças que se entremeiam, um universo de recortes, que vistos de cima formam um mapa, onde personagens carnais, profundos e banais, são inseridos em situações limite, dentro do descontrole do âmbito privado. As seis peças provocam o expectador e trazem o desafio de falar da natureza humana com sua toda sua beleza, histeria, imprevisibilidade e crueldade.
“Paraíso Zona Sul” é resultado da seleção do Grupo Fragmento, em 2014, na mostra Novas Cenas” da Secretaria de Estado de Cultura, realizada na Biblioteca do Parque Nacional, no Teatro Alcione Araújo, que prestigiou o autor Bilac, com a montagem de oito de seus textos por diferentes grupos de teatro do estado do Rio de Janeiro. “Paraíso Zona Sul” foi publicado pelo Jô Bilac no site dramadiario.com. Os seis textos, de linguagem própria e estética fragmentada, tratam de assuntos similares, como a morte, a fidelidade e as relões familiares e foram escritos em momentos diferentes, o que motivou o Grupo Fragmento a conceber uma unicidade à montagem, assumindo então a peça em si, como uma colcha de retalhos coloridos que cobre a mesma mesa, no caso a Zona Sul, da cidade do Rio de Janeiro.
Esteticamente inspirada no filme Dogville (de Lars Von Trier), com a cidade no palco o tempo inteiro e os personagens transitando por diferentes âmbitos privados, o espetáculo busca surpreender o espectador através de um novo espo,  tempo  e  luz,  e  os  cinco  atores  se  desdobram  em  dezessete personagens que vivem situações limite dentro da loucura íntima das relões familiares. Com a intenção de levar o espectador ao avesso do ser humano, Bilac construiu seis histórias que surpreendem por sua imprevisibilidade. Assim, Vicentinho, dono da doceria Paraíso na boca, no bairro da Glória, precisa decidir se crê ou não na fidelidade de sua esposa após receber um telefonema anônimo. Na Urca, Lilico interroga Tiago insistentemente, o bonito médico que veio casar com sua filha Vilminha, que segundo o pai, é um bucho de marca maior.   Em Ipanema, Breno espera ansiosamente que Rosane fique pronta para o grande baile, enquanto sua sogra tem comportamentos estranhos em relação a ele. Em Copacabana, Mauro precisa encontrar a Fatinha certa, mas ela está viva ou morta?


Paraíso Zona Sul” trás em cada história a riqueza dos dramas familiares, tratando questões que vão desde a infidelidade conjugal até a m orte dos entes queridos, tratados com humor e a crueldade naturais ao humano.




“Paraíso Zona Sul” conversa com as questões mais intrínsecas a qualquer ser humano, na medida em que trás os conflitos familiares como sua principal fonte cênica. Apesar de sua escrita  parecer  situar-se  num  passado  próximo,  dos  anos  50  até  os  80, funciona sem pieguice como um espelho da nossa sociedade. Porém, vai além, pois trata de subverter o humano e suas possíveis reões. A loucura do âmbito privado e a carência violenta do humano são reveladas através de uma lupa que, ao adentrar os espos privados daqueles que vivem na zona mais desejada do Rio – a Zona Sul - (seja por sua beleza, como pelo status de sua condição social), destrói e constrói a visão de paraíso tão explorada pela própria cultura carioca.




SERVIÇO:
De 06 a 22 de maio - Estréia da peça “Paraíso Zona Sul” na SEDE DAS CIAS
Endereço: Rua Manoel Carneiro 10, lapa
Informações: (21) 2137-1271
Classificação indicativa: 16 anos
Preço do ingresso: R$ 20,00 (inteira)
Duração do espetáculo: 60 min
Gênero: tragicomédia
Horário: 20h
Temporada: quartas, quintas e sextas (06/05 à 22/05)

FICHA TÉCNICA
Texto: Bilac
Dirão: Nirley Lacerda
Dirão de Movimento: Marcelle Sampaio
Trilha Sonora: Frederico Demarca
Elenco: Ana Carolina Dessandre, Carolina Ferman, Diogo de Andrade Medeiros, Elio de Oliveira e Monique Vaillé
Dirão de Prodão: Monique Vaillé
Iluminão: João Gioia
Figurino: Patrícia Muniz
Cenografia: Vanessa Alves
Design: Elio de Oliveira
Fotografia: Rafael Nóbrega
Realizão: Grupo Fragmento
Apoio: Casa da Glória e Bar e Restaurante Ox Ximenes


CURRÍCULO DO GRUPO FRAGMENTO
Formado em 2006, o primeiro trabalho do Grupo foi a montagem de “Fragmento.Ponto.Alma” com texto e direção de Nirley Lacerda e supervisão de Ole Erdmann e Fabiano de Freitas que teve pré-estreia no Festival de Curitiba em 2008 realizando duas temporadas no Rio de Janeiro (Instituto dos Atores e Teatro Café Pequeno) em 2011. Participou de festivais de esquetes, como: “FESTIATRO” finalista com a esquete “Anjos” de Nirley Lacerda e o “Elbe de Holanda” onde ganhou o prêmio de melhor cenário com a esquete “O Dia Feliz da Mais Forte” de Monique Vaillé. Em 2009 realizou o clip “Efeitos Colaterais” e o curta-metragem “Fragmento.Ponto.Alma“.  Em 2013 estreou seu segundo trabalho com a peça “A Prostituta Respeitosa” de Jean- Paul Sartre na  Sede  das  Cias. Em parceria com a Tartufaria de Atores, estreou em 2014 a peça "O que restou do Sagrado", de Mário Bortolotto, com direção de Nirley Lacerda em Curitiba. Em setembro de 2014, “A Prostituta Respeitosa” se apresentou no Teatro Santa Rosa em Ribeirão Preto (SP) participando do TERRÁRIL FÉRTIL:6. Em outubro de 2014, o Grupo Fragmento foi contemplado no edital NOVAS CENAS 2014 e realizou apresentação de Paraíso Zona Sul, de Jô Bilac, no Teatro Alcione Araújo em 19/12/2014.

.Fábio Cezanne
CEZANNE COMUNICAÇÃO
21-2551-8190 / 99197-7465
cezannedivulgacao@gmail.com
www.cezannecomunicacao.com.br

Nenhum comentário:

...

...

...